Querido (a) visitante

Este é o meu espaço onde compartilho com você mensagens bíblicas e publicações diversas.

Deus seja exaltado em todas as coisas que fazemos!

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Plantados "FORA DO LUGAR"



             Estive refletindo sobre uma parábola ensinada por Jesus:

“E dizia esta parábola: Um certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha, e foi procurar nela fruto, não o achando; E disse ao vinhateiro: Eis que há três anos venho procurar fruto nesta figueira, e não o acho. Corta-a; por que ocupa ainda a terra inutilmente? E, respondendo ele, disse-lhe: Senhor, deixa-a este ano, até que eu a escave e a esterque; E, se der fruto, ficará e, se não, depois a mandarás cortar” (Lucas 13. 6-9)

         É interessante observar que aquele “certo homem”, assim referido por Jesus, tinha uma FIGUEIRA plantada numa VINHA. Mas, por que a FIGUEIRA estava em meio a uma plantação de uvas? Ora, aquele não era ou não deveria ser o seu lugar! Ao certo, a FIGUEIRA deveria estar plantada junto às demais figueiras!
         De um modo intrigante, refleti e busquei averiguar argumentos que justificassem a FIGUEIRA estar plantada numa VINHA! Confesso que não achei explicações. Mas, como tudo o que se refere à Jesus não requer explicações (razão) e sim fé, me tranquilizei! Porém, a pergunta permanecia gritante:
         - Por que a FIGUEIRA estava em meio a uma plantação de uvas?
         A resposta, de repente, me pareceu muito óbvia: é claro  que Jesus queria nos ensinar uma verdade espiritual com esta analogia! Mas, que tipo de lição podemos tirar desta parábola? Reflita comigo alguns pontos importantes na ilustração de Jesus:


I – AS VEZES DEUS NOS PÕE NUM LUGAR QUE NÃO É O NOSSO!

          Como na parábola, as vezes Deus nos coloca num lugar que não é o nosso lugar de origem, ou seja, por alguma razão o Senhor precisa que estejamos num lugar onde Ele possa realizar algo estabelecido pelo Seus planos e propósitos. Faz-me lembrar de José no Egito! Aquele não era o seu lugar. Ali não estava o seu povo. Aqueles costumes não eram os que ele havia recebido de seus pais em sua terra original, menos ainda do seu Deus. Porém, Deus havia permitido o seu sofrimento e todas as experiências vividas no Egito com o propósito de salvar toda a nação de Israel da fome e da morte. No encontro com seus irmãos, registrado em Gênesis, José deixa claro o controle de Deus sobre sua vida, sobre a nação de Israel e sobre todas as circunstâncias que viveu:

“E disse José a seus irmãos: Peço-vos, chegai-vos a mim. E chegaram-se; então disse ele: Eu sou José vosso irmão, a quem vendestes para o Egito. Agora, pois, não vos entristeçais, nem vos pese aos vossos olhos por me haverdes vendido para cá; porque para conservação da vida, Deus me enviou adiante de vós. Porque já houve dois anos de fome no meio da terra, e ainda restam cinco anos em que não haverá lavoura nem sega. Pelo que Deus me enviou adiante de vós, para conservar vossa sucessão na terra, e para guardar-vos em vida por um grande livramento. Assim não fostes vós que me enviastes para cá, senão Deus, que me tem posto por pai de Faraó, e por senhor de toda a sua casa, e como regente em toda a terra do Egito. Apressai-vos, e subi a meu pai, e dizei-lhe: Assim tem dito o teu filho José: Deus me tem posto por senhor em toda a terra do Egito; desce a mim, e não te demores; E habitarás na terra de Gósen, e estarás perto de mim, tu e os teus filhos, e os filhos dos teus filhos, e as tuas ovelhas, e as tuas vacas, e tudo o que tens. E ali te sustentarei, porque ainda haverá cinco anos de fome, para que não pereças de pobreza, tu e tua casa, e tudo o que tens”. (Gênesis 45:4-11 - grifos meus)

         Observe que longe de sua pátria, tendo passado por humilhações e sofrimentos, José entende que ele era como uma FIGUEIRA plantada na vinha com o único propósito de executar os planos e os propósitos de Deus. 
          A segunda lição que aprendemos na parábola de Jesus é:


II – DEVEMOS PRODUZIR RESULTADOS MESMO FORA DO NOSSO LUGAR


         Voltando novamente o nosso olhar para a parábola de Lucas 13, aprendemos que embora a FIGUEIRA estivesse plantada na VINHA, aquele “certo homem”, por três anos, vinha procurar frutos nela, mas não achava. Talvez, pudéssemos defendê-la dizendo: - Também pudera, plantaram-na num lugar que não era o seu!
         Mas, pense comigo: se as terra pertenciam àquele “certo homem”, então ele tinha autonomia para plantar o que quisesse e onde desejasse! Trazendo isto para o âmbito espiritual, a Bíblia diz que:

“Agora, pois, se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, então sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos, porque toda a terra é minha”.
(Êxodo 19.5 - grifos meus)

                Se toda a terra é do Senhor e se nós somos sua propriedade peculiar, então, onde quer que Ele nos coloque estaremos sempre “no centro da vontade de Deus”.
         Contudo, como aquele “certo homem” da parábola, o Senhor também procura frutos em nós; Ele espera resultados na nossa vida, fruto da nossa salvação, do nosso chamado, do preparo que o Espírito Santo tem feito em nossas vidas ao longo dos anos. E eu pergunto: - o Senhor tem encontrado frutos em nós? Ainda olhando para a parábola, o “certo homem” indignado com a improdutividade da figueira, ordena que ela seja cortada, pois ocupava a terra inutilmente, isto é, além de não produzir, a figueira ainda estava sugando toda a energia, todo o alimento da terra que poderia, na verdade, alimentar as videiras, pois estas eram frutíferas.
         Por vezes amados, somos como esta figueira. Nos alimentamos de Deus, somos estercados pelo Seu poder, encharcados pelas suas bênçãos e passamos anos após anos, infrutíferos! Mas, a vontade de Deus é revelada em Cristo:

"Eu vos nomeei, para que vades e deis frutos e, os vossos frutos permaneçam" (João 15.16)

          Por fim, a terceira lição que tiramos para nossas vidas nessa parábola é que:


 III – DEUS NOS DÁ NOVA OPORTUNIDADE DE FRUTIFICAR
  
         O que consola, é saber que Deus por sua infinita misericórdia, permite que o doce Espírito Santo continue trabalhando em nós, dando-nos nova oportunidade de sermos produtivos para o seu Reino.

E, respondendo ele, disse-lhe: Senhor, deixa-a este ano, até que eu a escave e a esterque; E, se der fruto, ficará e, se não, depois a mandarás cortar” (Lucas 13. 8,9)

         O vinhateiro, que pediu mais um tempo para trabalhar com aquela figueira, me reporta, num sentido espiritual, a uma analogia do Espírito Santo que o próprio Jesus disse que seria enviado pelo Pai:

“Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito”. (João 14:26)

            Sim, Ele é o nosso amigo, enviado pelo Pai, quem nos capacita e fortalece mesmo quando estamos num lugar, que não é nosso! Como bem profetizou Joel:

“Forjai espadas das vossas enxadas, e lanças das vossas foices; diga o fraco: Eu sou forte”. 
(Joel 3:10)

         Não tenha dúvidas no seu coração! A sua força vem do Senhor. Você está no lugar que Ele te plantou e o que Ele espera de você é que você dê frutos! Mas calma, você não fará isso sozinho, o Espírito Santo habita em você. Ele te ajudará:

 “Do mesmo modo também o Espírito Santo nos ajuda na fraqueza; porque não abemos o que havemos de pedir como convém, mas o Espírito Santo intercede por nós com gemidos inexprimíveis”. 
(Romanos 8.26)

         Portanto, você que lê esta mensagem e se sente como uma Figueira FORA DO LUGAR, não desanime, forje os seus arados, fazendo deles espadas; transforme suas foices em lanças e diga: em Cristo eu sou forte, pois assim profetizou Joel, isto é, transforme as adversidades em armas de guerra. E, quanto as suas fraquezas o Espírito Santo, cuidará de cada uma delas intercedendo por você com gemidos inexprimíveis.
         Vá, siga em frente e dê muitos frutos para o Senhor, nosso Deus!

                                                             Rose Prado

domingo, 18 de dezembro de 2011


Dilma é criticada em evento gay por se aproximar de evangélicos

FOLHA.COM 16/12/2011 06h30


A presidente Dilma Rousseff foi criticada na abertura da 2ª Conferência Nacional de Políticas Públicas e Direitos Humanos LGBT por não se posicionar abertamente sobre a homofobia e por se aproximar de segmentos evangélicos.
"Nossa presidente esteve na ONU e não teve coragem de falar de homofobia (...) Enquanto acordo com evangélicos for feito nas cortinas do palácio, o sangue das travetis vai continuar correndo", disse a travesti Jovanna Baby, durante seu discurso, na presença dos ministros Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral) e Maria do Rosário (Direitos Humanos).
Pouco depois, quando Jovanna Baby citou o ex-presidente Lula, a plateia de cerca de 800 pessoas se levantou e começou a gritar "Lula! Lula! Lula!". Ao final do discurso da travesti, o público cantou "Ô, Dilma, que papelão, não se governa com religião", o que deixou constrangidos os dois ministros.
O então presidente Lula participou, em 2008, da 1ª conferência.
Ao tomar a palavra, Maria do Rosário afirmou que não é justo esquecer que o trabalho da Secretaria dos Direitos Humanos, responsável pela conferência e por outras iniciativas para o segmento, é respaldado pela presidente Dilma.
  • foto
À Folha, Gilberto Carvalho disse que "o governo age em conjunto. A publicidade [campanha de TV de combate ao preconceito contra gays, lançada ali] é financiada pelo governo".
O evento homenageou o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Carlos Ayres Britto, relator da ação que reconheceu a união homoafetiva em maio deste ano. O ministro arrancou aplausos da plateia cada vez que defendia a total igualdade entre homossexuais e heterossexuais.
"Procurei estudar a Constituição por todos os ângulos, por todos os aspectos, desde o seu preâmbulo até seu último artigo, para ver se era juridicamente acertado, irretocável, correto, reconhecer às pessoas homoafetivas os mesmos direitos --mas todos os direitos, todos, sem exceção-- das pessoas heteroafetivas (...) para felicidade minha, surpresa agradabilíssima, quanto mais eu desfilava pela passarela da Constituição com a minha alma totalmente aberta, eu só encontrava confirmação de que é um absurdo, é uma violência, é fundamentalismo dizer que a pessoa é mais ou menos digna pelo fato da sua orientação sexual. Não há como fazer distinção", disse ele.
                                * * * * * * * * * * * * * * * * * * 

E depois dizem que nós é que somos "preconceituosos", "homofóbicos"" Eu, particularmente acredito, que os homossexuais são extremamente preconceituosos e a "fobia" que têm em relação aos evangélicos é extremamente acentuada. Talvez, isso se deva ao fato de que sempre que olham para os "crentes" vejam a Palavra de Deus estampada em nossas vidas. Pois, é a Palavra de Deus que afirma: "Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus" 1 Coríntios 6.10 e "E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro. E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm". Romanos 1:27-28 . Por eles, devemos orar e continuar pregando, quer ouçam, quer deixem de ouvir, pois eu continuo acreditando que a Palavra de Deus, liberta, transforma e conduz o homem a ser uma nova criatura. Podem até mudar as leis humanas, mas nunca poderão mudar a Palavra de Deus, porque escrito está: "Passarão os céus e a terra, mas as minhas palavras nunca hão de passar" (lucas 21.33)
                                                                                             Rose Prado